quinta-feira, 3 de junho de 2010

Lei anticonversão podem ser aprovadas por líderes budistas

Missionários correm risco de punição no Sri Lanka se lei anticonversão for aprovada
Por Rodrigo Ribeiro Rodrigues
     Líderes budistas no Sri Lanka poderão aprovar uma lei anticonversão que puniria os missionários cristãos que trabalham no país.
     A lei proposta pede punições, incluindo multas e prisão, para qualquer um que tentar converter um cingalês de uma religião a outra usando de força, fraude ou aliciamento.
     A medida legal foi projetada por um partido político cuja liderança é formada por monges budistas. Um dos líderes afirmou que os missionários norte-americanos são uma das maiores ameaças no país.
     K.P. Yohannan é presidente da Gospel for Asia (GFA), um ministério que possui missionários trabalhando no Sri Lanka.
     “A perseguição no Sri Lanka é algo comum. Budistas e hindus radicais que atacam e perseguem cristãos é um problema recorrente. Ore para que, de alguma forma, a liberdade de pregar o evangelho e de ajudar os necessitados permaneça, porque os políticos anticristãos estão muito propensos a aprovar a lei.”
     O Sri Lanka ocupa a 40ª posição de Classificação de países por perseguição.
     O Budismo constitui a fé religiosa de cerca de 70% da população da ilha, a maioria dos quais seguem a escola budista Theravada. O Hinduísmo é a segunda religião mais predominante no Sri Lanka e, assim como o Budismo, também foi trazida da Índia. Hoje, a maioria dos hinduístas são Tamil e constituem a maioria no norte do país.
     Além destas duas religiões, que juntas englobam cerca de 84% da população, também é professado no país o Islão, bem como várias igrejas da cristiandade. O Islão é seguido por cerca de 8% dos habitantes do Sri Lanka, e foi trazido pelos comerciantes árabes ao longo de muitos séculos; são, na maioria, sunitas que seguem a escola islâmica Shafi'i.
Tradução: Missão Portas Abertas
Foto: O Templo do Dente é um importante foco do Budismo no Sri Lanka
Com informações de One News Now/ Enciclopédia Livre

Nenhum comentário: