segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

No final do culto teto da Igreja Evangélica Assembleia de Deus desaba – Assista

teto-igreja-ad-desaba-apos-culto

Pastor da Igreja Assembleia de Deus após encerrar o culto e despedir o fiéis no final do culto leva um susto grande, quando o teto do templo desabou, mas graças a Deus os fieis já estavam fora do templo e nenhum deles foram atingidos pelo desabamento. 
O teto de uma igreja evangélica desabou durante o culto na noite de domingo (29), em Várzea Nova, distrito de Santa Rita,teto-igreja-ad-desaba-apos-culto-2município da Grande João Pessoa. Segundo informações do Corpo do Bombeiros, o teto caiu poucos minutos depois do pastor se despedir das pessoas que estavam presentes no local. Apesar do susto, ninguém ficou ferido.
teto-igreja-ad-desaba-apos-culto-1De acordo com o tenente Medeiros, do Corpo de Bombeiros, parte da estrutura do local está comprometida. “Principalmente a parte mais próxima ao púlpito da igreja. A parte frontal da igreja está comprometida. As duas paredes laterais, inclusive com colunas rachadas ao meio. Estamos providenciando o isolamento do local”, explicou o bombeiro.
Ainda de acordo com o Corpo de Bombeiros, as residências vizinhas à igreja estão comprometidas e também serão isoladas. Segundo o tenente Medeiros, as paredes laterais rachadas foram seguradas pela parte do teto que caiu.
 Fonte Inforgospel

domingo, 29 de dezembro de 2013

novo site da AD - Vila Espanhola

Funai dificulta o acesso de missionários em tribos indígenas

ANAJURE emite nota contra proibição de trabalhos missionários com índios
ANAJURE contesta proibição de trabalhos missionários com índiosA Associação de Missões Transculturais Brasileiras (AMTB) e o  Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas (CONPLEI) escreveram uma nota pública contra as ações do Governo Federal e da FUNAI que estão impedindo o acesso dos missionários junto as tribos indígenas que por anos recebem apoio espiritual e social desses grupos.
Alegando a proteção dos índios e de suas culturas, o governo tenta barrar os trabalhos missionários que não pregam apenas uma religião, mas promovem programas de educação e saúde.
A Associação Nacional de Juristas Evangélicos (ANAJURE) está prestando apoio jurídico para as entidades cristãs, buscando reverter esses programas por meio da Lei.
“O  fato é que, em geral, a atitude do Governo e da FUNAI é, de certa forma, hostil e autoritária. Há flagrantes violações às liberdades civis fundamentais dos indígenas – que, ressalte-se, desejam a presença das missões – e dos missionários”, diz o presidente da ANAJURE, Dr. Uziel Santana.
“Impedimentos ao livre exercício da liberdade religiosa, da liberdade de expressão e ao desenvolvimento de programas sociais históricos tem acontecido a todo momento, de modo que chegou a hora de acionarmos as instâncias jurídicas do nosso país e de organismos internacionais para buscarmos o resguardo dos nosso direitos e dos indígenas”, completa.
Na nota as entidades lembram que esses trabalhos são realizados há mais de 100 anos e que não devem ser comparados com a catequização. “Apesar de reconhecermos que houve desacertos no passado, cometidos em nome de um cristianismo equivocado, em geral, a atuação missionária nas áreas indígenas brasileiras está historicamente associada à preservação física, social, cultural e lingüística desses povos”, dizem.
O texto também deixa claro que as culturas locais e a língua são preservadas, tanto que mais de 600 trabalhos acadêmicos foram realizados por missionários para preservar os povos e suas línguas.
Leia a nota na íntegra:
A Associação de Missões Transculturais Brasileiras – AMTB, legítima representante de 47 agências missionárias transculturais brasileiras, 14 das quais atuam entre os povos indígenas do Brasil, e o Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas – CONPLEI, com o apoio jurídico da Associação Nacional de Juristas Evangélicos – ANAJURE, fulcrados nos princípios constitucionais da liberdade de expressão, da livre manifestação do pensamento e da liberdade religiosa (Art. 5º, incisos IV, VI e IX, Constituição Federal), vem, através do presente expediente, expor aos Poderes Públicos da República Federativa do Brasil e à Sociedade, o que adiante se explicita:
1º) Frente à adoção crescente de políticas públicas e medidas administrativas impeditivas da presença missionária nas áreas indígenas, a partir da assunção de pressupostos – por certo sem base na realidade fáctica, histórica e jurídica – que assentem que a atuação missionária, por si só, é nociva a esses povos, é chegado o momento de demonstrarmos, através de todos os meios de prova legais e legítimos existentes no Direito, que tais premissas não se sustentam ao serem cotejadas com os fatos históricos da nossa atuação entre os povos indígenas nesses mais de 100 anos. Apesar de reconhecermos que houve desacertos no passado, cometidos em nome de um cristianismo equivocado, em geral, a atuação missionária nas áreas indígenas brasileiras está historicamente associada à preservação física, social, cultural e lingüística desses povos. Nesse sentido, afirmamos, peremptoriamente, que não mais admitiremos injurias, difamações ou calúnias de qualquer natureza, sem a devida prova da alegação, sobre nossas agências e missionários.
2º) Frente às sugestões de que nossa ação junto aos povos indígenas é meramente catequizadora, é momento de trazer a público, de modo mais contundente ainda, as iniciativas e ações missionárias desenvolvidas por nossas agências ao longo de décadas. Ações essas, notadamente, nas áreas de saúde, educação, subsistência e preservação lingüístico-cultural dos povos indígenas, com reconhecimento do próprio orgão indigenista oficial, primeiro SPI (Serviço de Proteção ao Indio) e posteriormente FUNAI (Fundação Nacional do Indio), em tempos anteriores a esta onda de perseguição institucional à qual, certos setores, têm-nos submetido. Conforme o relatório “Indígenas do Brasil”, publicado em 2010 pelo Departamento de Assuntos Indígenas da Associação de Missões Transculturais Brasileiras (DAI-AMTB), há 257 programas sociais entre as 182 etnias indigenas com presença missionária, nos quais foram realizados mais de 100 mil atendimentos médicos e odontológicos tão-somente entre os anos de 2010 e 2012, a grande maioria sem qualquer participação financeira governamental. Assim também, na área acadêmica, nossas agências, através de um trabalho meticuloso e abalizado, metodológica e cientificamente, produziram, nos últimos anos, mais de 600 materiais de cunho acadêmico-educacional sobre línguas indígenas de povos originários brasileiros, preservando-se, assim, importante acervo memorial e cultural da nossa nação. Nesse sentido, é de se ressaltar, também, que as ortografias indígenas que hoje estão em uso foram, majoritariamente, desenvolvidas por instituições missionárias, num esforço intelectual que, de longe, supera projetos de extensão acadêmica levados a cabo, com amplo financiamento, em universidade públicas federais ou estaduais, por exemplo. Assim também, é de se destacar os posicionamentos das nossas agências missionárias, relativos a conflitos de terras e outros tipos de exploração, sempre em defesa dos povos indígenas.
3º) Frente às diversas tentativas de cerceamento dos direitos das comunidades indígenas, através de um patrulhamento ideológico, por certo, inconstitucional e ilegal, onde se desconsidera, inclusive, os princípios da autonomia da vontade e da autodeterminação dos povos indígenas, buscando-se perpetuar uma situação de tutela e assistencialismo estatal já superadas nos planos acadêmico e jurídico, é momento de nos posicionarmos, mais firmemente, a favor de tais direitos constitucionais e infraconstitucionais das comunidades indígenas, direitos esses garantidos não só pela nossa Magna Carta, mas também e, sobretudo, por tratados internacionais. Nesse sentido, vale citar: a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) – aprovada pelo Congresso Nacional brasileiro em 25 de agosto de 1993, e entrando em vigor através do Decreto Legislativo n. 143, de 20 de junho de 2002 –; a Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, aprovada pela Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em 13 de setembro de 2007, tendo o Brasil como país signatário; e os diversos posicionamentos da Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA – Organização dos Estados Americanos, todos no sentido da prevalência do princípio da autodeterminação dos povos, inclusive, da capacidade dos povos indígenas de celebrarem tratados internacionais e terem sua própria ordem jurídica, em coexistência com a dos Estados Nacionais onde seus territórios estejam encravados. Tudo isso para garantir que os povos indígenas tenham seus direitos assegurados, como é o caso do Direito de Liberdade Religiosa.
4º) Frente às constantes perseguições e repetidas tentativas de impedimento das atividades missionárias junto aos povos indígenas do Brasil, é momento de denunciarmos que determinados setores da sociedade brasileira, alguns, infelizmente, ligados ao próprio Estado, orientados por uma ideologia, declaradamente, anticristã e antidemocrática, têm promovido acintosamente uma perseguição ideológica e religiosa às nossas agências e missionários, ferindo-se, assim, frontalmente, liberdades civis fundamentais, como é o caso da nossa Liberdade Religiosa, de Culto e de Expressão. Até o presente momento, nossas agências adotaram uma postura equilibrada, de paz, respeito, tolerância, sempre e apenas se defendendo. Mas é chegado o momento de, no plano político e jurídico, lutarmos pelos nossos direitos constitucionais e legais. A história da nossa atuação missionária, nesses termos, é a expressão do nosso testemunho cristão, de modo que não mais nos resignaremos perante perseguições e falsas acusações, que ferem a honra de indivíduos e organizações missionárias. Destarte, também não aceitaremos mais passivamente o cerceamento dos nossos direitos constitucionais – assim como dos próprios povos indígenas – de servir ao próximo e compartilhar livremente nossa fé e crença, sempre de forma voluntária, respeitosa e dialogal, submetendo-nos, como sempre foi, aos parâmetros jurídicos vigentes.
Ex positis, como um primeiro passo nessa direção, nossas instituições supra indicadas e infra assinadas por seus mandatários, colocam-se à disposição da Sociedade Brasileira e dos Poderes da República Federativa do Brasil, em especial dos órgãos oficiais de administração dos povos indígenas e o Ministério Público Federal, a fim de dialogar sobre as questões acima elencadas, com o fito de, de uma vez por todas, o Estado brasileiro deixar de impedir ou restringir, inconstitucional e ilegalmente, nossa atuação histórica em terras indígenas.
Neste momento, é o que nos cumpre.
Brasília, 12 de dezembro de 2013

Cassiano Batista da Luz
Presidente AMTB
(Associação de Missões Transculturais Brasileiras)

Henrique Terena
Presidente CONPLEI
(Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas)

Dr. Uziel Santana dos Santos
Presidente ANAJURE
(Associação Nacional de Juristas Evangélicos)

por Leiliane Roberta Lopes / fonte gospel prime

FARC fecharam 150 igrejas cristãs este ano na Colômbia

Os cristãos da Colômbia tem vivido este ano em constante perigo, por causa de ameaça de grupos guerrilheiros das FARC. Eles proibiram os cultos nas áreas rurais sob seu controle, especialmente no sul do país, e têm extorquido pastores e padres.
Estima-se que 150 igrejas foram obrigadas a fechar desde julho, quando a frente 32 das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia/Exército do Povo (FARC-EP) lançou uma ofensiva, proibindo a celebração de missas e cultos em cidades e vilas menores.
Para se reunir, a maioria das congregações precisa pagar uma espécie de “taxa de proteção” ao grupo rebelde. Os cristãos que correm maior risco são aqueles que ainda se reúnem nas casas e os líderes que viajam para se encontrar com eles. “Sempre que meu marido ou outro líder da igreja decide pregar no campo, só posso pedir: Senhor, proteja e dê segurança a cada um deles”, diz Jeanet Ortiz Pinto, esposa do evangelista itinerante Angel Pinto.
“Meu coração está triste ao ver o que está acontecendo ao nosso redor”, afirma ele. O casal pastoreia a Igreja de Deus em Puerto Asis, desde 1988. Angel também é um pastor itinerante, que visita continuamente várias igrejas recém-plantada no Estado de Putumayo. Durante seu ministério, que já dura mais de 25 anos, Pinto foi expulso da igreja cinco vezes por grupos armados. Duas vezes ele foi ameaçado de morte por violar as proibições impostas pelas FARC contra a pregação.
Ele diz que não tem medo e explica que sua congregação tem um ministério que resgata e cuida dos chamados órfãos de guerra. Algumas dessas crianças são filhos de membros da igreja que morreram nas mãos da FARC.
Mesmo assim, ele sabe que as FARC já mataram centenas de líderes de igrejas evangélicas nos últimos anos, incluindo alguns de seus colegas de ministério em Puerto Pinto Assis. Após as ameaças da guerrilha, seis padres foram expulsos de suas paróquias na região, de acordo com informações da imprensa.
O governo colombiano realizou reuniões de paz com as Farc em Cuba, para chegar a uma solução para o conflito que já dura décadas. Eneida Herrera, uma evangélica professora de Finanças Públicas na Universidade do Américas, lamentou que a igreja sofra com a violência de grupos armados e faz um alerta. “Caso as negociações de Havana não produzam nada de positivo, podemos esperar uma onda de violência maior do que tem acontecido até agora”.
Pedro Mercado, vice-secretário da Conferência Episcopal da Igreja Católica, declarou que estava “muito preocupado pois… Há mais ameaças de segurança a nossos padres e bispos, e restringe nossa liberdade de pregar a palavra de Deus”.
por Jarbas Aragão  / fonte gospel prime

Globo pode desistir definitivamente do Festival Promessas

A emissora anunciou que em 2014 fará apenas eventos regionais, mas até esses poderão ser cancelados

Globo pode desistir definitivamente do Festival PromessasA Globo anunciou que a partir de 2014 não haverá mais a edição nacional do “Festival Promessas”, apenas edições regionais. Esta semana porém a jornalista Keila Jimenez, da coluna Outro Canal da Folha de São Paulo, noticiou que a emissora carioca pode desistir definitivamente do festival de música gospel.
Vários motivos levam Jimenez a acreditar nessa hipótese. Um deles seria a baixa audiência da edição de 2013, outro motivo seria problemas entre a Som Livre e seus principais representantes do segmento.
Como já noticiamos no Gospel Prime, o grupo de louvor Diante do Trono pretende deixar a gravadora das Organizações Globo assim que acabar o contrato que vence em 2014. Para romper com a Som Livre antes desse período o grupo teria que recorrer à justiça, mas o Diante do Trono já informou que prefere negociar “uma saída amigável”.
O terceiro motivo para o cancelamento definitivo do Festival Promessas seria o fim da GEO Eventos, empresa que realizava não só o festival, como também o Troféu Promessas e a Feira Internacional Cristã (FIC). A entrega dos troféus de 2013 foi realizada via Correios e a primeira edição da FIC, que aconteceu em julho, não teve o resultado esperado e por isso o projeto foi descontinuado.
Em resposta à Keila Jimenez a Globo reafirmou que pretende continuar com as edições regionais do festival, mas a forma de transmissão e os locais para tais eventos ainda serão analisados.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Feliz Natal, Feliz Ano Novo!


Feliz Natal, Feliz 2014!



Pastor José Wellington Bezerra da Costa e sua esposa,
irmã Wanda Freire da Costa, desejam a todos os Irmãos e Amigos,
Pastores e respectivas Esposas de Pastores,
Membros e Obreiros das Assembleias de Deus em todo nosso Brasil,
bem como aos Missionários de nossa Igreja espalhados por tudo Mundo...

"Feliz Natal e um Abençoando Novo Ano"

Que o nascimento de Jesus continue trazendo alegria e paz,
transformação e milagre em nós e através de nós,
sente-se com sua família, celebre esta data, agradeça a Deus
pelo nascimento do Salvador Jesus Cristo.

"Perto esta o Senhor dos que tem o coração quebrantado,
e salva os contritos de espírito" Salmos 34:18

Boas Festas!

Fonte http://www.pastorjosewellington.com/

60 anos do Pastor Wellington Junior - Vídeo Homenagem


Vídeo foi apresentado no culto em ação de graças
realizado em 04 de novembro na AD Belenzinho (SP)


fonte www.pastorjosewellington.com

domingo, 15 de dezembro de 2013

Jesus era branco? Debate é reiniciado após programa de TV

Jornalista compara Jesus a Papai Noel é alvo de piadas
Jesus era branco? Debate é reiniciado após programa de TVEnquanto no Brasil muito se debate sobre a influência gigantesca de uma emissora de TV sobre as notícias veiculadas no país, em outros países o debate é sobre os critérios para veiculação.
A rede FoxNews, parte de um dos maiores grupos de mídia do mundo, é conhecida (e atacada) por ser sempre favorável ao cristianismo.
Na edição do programa The Kelly File, apresentado diariamente ao vivo pela âncora Megyn Kelly, o debate era sobre a necessidade de se mostrar, em pleno século 21, uma imagem de um Papai Noel que não fosse um homem branco idoso.
Como o programa vai ao ar às 21 horas, preocupada que crianças poderiam estar assistindo, ela tentou fazer uma comparação, mas o argumento acabou virando piada.
“Prestem atenção vocês, crianças que nos assistem em casa, Papai Noel é branco. Há uma pessoa defendendo que talvez a gente também devia ter um Noel negro. Mas vocês sabem, ele é o que ele é, nós só estamos debatendo isso porque alguém escreveu sobre isso, crianças… Só porque isso faz alguém se sentir desconfortável, não significa que precisa mudar. Sabe, Jesus também era um homem branco. Certo, sabemos que ele é uma figura histórica, quero dizer isso pode ser provado. Assim como o Papai Noel. Eu só quero que as crianças que nos assistem saibam disso”.
O que pode parecer apenas uma opinião, acabou repercutindo na mídia secular e entre os cristãos. Primeiramente, por que nem todos concordam que Jesus de fato era branco. Somente isso já é um assunto polêmico, pois há muitos teólogos que lutam contra esse estereótipo de um homem de cabelo comprido e olhos claros, que durante muitos anos foi associada com a figura histórica de um judeu típico que não poderia ser branco.
O assunto foi comentado nas redes sociais e por vários sites hoje. O tema parece despertar a ira e a curiosidade de muita gente. Além disso, ateus ficaram enfurecidos pelo fato de a jornalista estar claramente “pregando” para crianças sobre religião em meio às noticias do dia. Por fim, há quem retirasse o trecho onde ela estava dizendo que Jesus era uma personalidade histórica e unisse com a frase seguinte: “assim como Papai Noel”. Ou seja, Kelly, na verdade, estaria dizendo que Jesus é igual ao papai Noel, uma lenda baseada na vida de um mártir cristão conhecido como São Nicolau.
A referência imediata é a declaração do pastor Pat Robertson, em seu programa de TV, Clube 700, em setembro que comparou Deus ao papai Noel. Trata-se de um exemplo infeliz. Pois um dos argumentos mais comuns dos ateus é dizer aos cristãos que não existe um “Papai Noel no céu que dá coisas para os fieis que comportam bem”. Com informações de Daily Mail e The Root.
por Jarbas Aragão
Fonte Gospel Prime

Padre explica a importância da aliança política entre católicos e evangélicos

Ele cita a forte influência de movimentos homossexuais que querem destruir os valores judaico-cristãos
O padre Paulo Ricardo de Azevedo Júnior postou um vídeo em seu canal no Youtube falando sobre a união entre católicos e evangélicos na política nacional.

Padre explica a importância da aliança política entre católicos e evangélicosEle lembrou que há muitas pessoas que não aceitam essa aliança e até torcem contra ela. Azevedo Júnior propõe deixar de lado o que divide as duas crenças para buscar o bem comum. O padre se refere ao movimento homossexual que tem como objetivo destruir o patrimônio moral do ocidente.
“Um bando de celerados colocou na cabeça ‘que a moral judaico-cristã só fez desgraça, então nós temos que acabar com ela’, e acabar com a moral judaico-cristã é acabar também com essa instituição chamada família”, disse.
O pároco comenta que a maior parte da população é a favor da moral judaico-cristã e da família e para não deixar que católicos e evangélicos lutem por ela, elas estão dispostos a colocar as duas religiões uma contra a outra.
“Nós precisamos nos unir para que isto não seja destruído”, disse ele pedindo apoio também dos grupos espíritas que também estão empenhados a defender a família.
O padre, que já gerou polêmica ao chamar os protestantes de “otários”, disse que apesar das diferenças religiosas, os dois grupos precisam se unir para defender a família e a moral judaico-cristã.
“Nós católicos e os evangélicos estamos perfeitamente de acordo que neste campo (de crenças) não tem acordo. Mas não é neste campo que queremos firmar este acordo, é no campo político”, disse ele. O desafio dessa aliança polícia é aprender a respeitar as diferenças religiosas de ambas as partes e assim construírem uma força que vai salvar os valores morais da civilização.
“Nós vemos a nova invasão dos bárbaros”, disse ele se referindo ao movimento homossexual. “Mas não são bárbaros que vêm com a guerra, mas são bárbaros que vêm com a língua bifurcada como a serpente. Todos eles têm a língua bifurcada, eles dizem uma coisa, que para a população significa uma coisa, mas para eles outra”.
Ricardo Azevedo chama a atenção para a imposição do termo “identidade de gênero” que pode parecer tratar de igualdade entre homens e mulheres, mas que na verdade significa “transformar nossas escolas em fábricas de pessoas versáteis sexualmente”.
“O que eles estão planejando é acabar com a instituição familiar e para acabar com a instituição familiar eles precisam acabar com o papel de marido, mulher, macho, fêmea, filho, pai e mãe”, alerta.
No final do vídeo ele reafirma que os cristãos não aceitam esse tipo de ideologia e isso não significar desrespeitar as minorias. “Iremos respeitar todos os tipos de pessoas, mas não podemos tolerar é que as nossas escolas se transformem em fábricas de destruição do patrimônio moral”.
por Leiliane Roberta Lopes
Fonte Gospel prime

Baixa audiência e críticas marcam Festival Promessas na Globo

 Programa teve média de 8,3 pontos na Grande São Paulo.

A terceira edição do Festival Promessas não gerou o resultado esperado pela Rede Globo e nem para os telespectadores. A transmissão do show gospel neste domingo (15) teve baixa audiência e muitas críticas nas redes sociais.

Baixa audiência e críticas marcam Festival Promessas na GloboDe acordo com o site “Notícias da TV” o programa teve média de 8,3 pontos na Grande São Paulo (cada ponto representa 62 mil domicílios). A Globo não contava que o SBT colocaria o sertanejo Luan Santana no mesmo horário, deixando o programa da apresentadora Eliana praticamente empatado com 7,5 pontos.
No domingo passado, no mesmo horário, o festival Sintonize, de música sertaneja, registrou 21% a mais no ibope e no domingo retrasado foram 32% a mais.
Nas redes sociais o show gospel também teve baixa e ao contrário dos primeiros anos, não chegou ao topo dos assuntos mais comentados no Twitter.
Os internautas comentaram bastante sobre as apresentações de Jonas Vilar, Diante do Trono, Oficina G3, Bruna Karla, Thalles Roberto e Aline Barros, mas muitos deles foram críticas ao evento.
Muitos evangélicos não aprovaram o programa, por ser mais um show musical que um espaço para levar a mensagem verdadeira do Evangelho.
“Um evento cheio de idolatria, cheio de ganância, cheio de amor ao dinheiro. Uma vergonha! Ser cristão verdadeiro não é cantar musiquinhas gospel e dizer que é evangélico. Não é assim, e o Festival Promessas não nos representa”, escreveu Richardson Gomes no Facebook.
“O que se viu na tela da Rede Globo, nesta tarde de domingo 15/12, não passou de um show de exagero, breguice, meninice é pouco, mas muito pouco compromisso com o sentido real da palavra ‘evangelho’!”, escreveu Gesson Vasconcelos também no Facebook.
Na fanpage do Gospel Prime lançamos a pergunta aos nosso seguidores e tivemos as mais diferentes respostas: “Acho que a rede esgoto só quer ibope. Nunca gostou dos cristãos. Quanto aos artistas, acho que a maioria estão cantando e não louvando”, opinou Mayra Sant’Anna.
Já Johnnson Cavalcante olhou o evento de outra forma: ” Achei proveitoso o nível profissional, espiritualmente falando nada a conquistar…”.

Não evangélicos aprovaram o evento

Enquanto o assunto divide opiniões entre os evangélicos, fiéis de outras religiões aprovaram o evento e mostraram nas redes sociais a emoção que sentiram com as apresentações. “Não sou evangélico não, mas tem umas músicas que tocam o nosso coração e são bem bonitas”, escreveu o usuário Carlinhos do Twitter @carlosed_18.
Pelo Facebook a católica Luzinete Lopes disse que estava emocionada. “Que Festival de Promessas maravilhoso, pena que acabou. Eita mulher que canta lindo, Aline Barros. Até choro com essa música que ela cantou”.

Festival de intolerância

Entre as críticas feitas pelo Twitter muitos usuários aproveitaram o momento para ofender os evangélicos de forma geral. “As cantoras são barangas, cafonas, publico é feio as músicas horrorosas. Porque catso a Globo tá passando essa bosta de #FestivalPromessas?”, escreveu o perfil @PietraVeneno.
Este não foi o único que resolveu assistir ao festival apenas para criticar. O usuário Edinho (@emhjr) escreveu: “Estou assistindo o #FestivalPromessas na casa dos parentes crentelhos e agora tenho certeza que esse povo come merda.”
O blogueiro Celso Dossi criticou quase todos os artistas que se apresentaram, chegando a fazer piada sobre cantora Ana Paula Valadão não apenas a respeito da roupa, mas também ao timbre de voz, ele apagou os posts em seguida.
Também chamou a cantora Bruna Karla de gorda dizendo que ela tem “cintura de frango em Cristo”. “Ser gulosa não é pecado? Cintura de frango em Cristo. #FestivalPromessas”.
Minutos depois Dossi mostrou o motivo da sua bronca contra evangélicos: “Se essa gente aceitasse gays, os modelitos, as maquiagens e os cabelos não seriam tão bregas. #FestivalPromessas.”
Muitos outros perfis trataram o programa da mesma forma e receberam respostas por parte dos evangélicos. “Engraçado que a comunidade gay que ficam pedindo direitos e tal desrespeitam a fé alheia nessas horas. Muito feio. #FestivalPromessas”, escreveu Pedro Batista.

por Leiliane Roberta Lopes 
Fonte Gospel Prime

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Testemunho de menino de 7 anos que sofre com câncer raro

Através dele, várias pessoas estão se convertendo ao Evangelho


Testemunho de menino de 7 anos que sofre com câncer raro O menino Hunter Alford, 7 anos de idade, sofre com um câncer raro e passou por momentos de incerteza quanto ao seu tratamento, depois que seu convênio médico foi cancelado.
Por ocasião do Dia de Ação de Graças, um editorial sobre suas condições foi publicado, e milhares de cristãos fizeram doações e possibilitaram que ele continuasse seu tratamento quimioterápico.
Acompanhado de sua mãe, Krista Alford, o menino Hunter tem testemunhado sobre a providência divina que ele viveu pessoalmente, e tem levado pessoas a se converterem ao Evangelho.
“As pessoas me deixaram mensagens dizendo que eles realmente não acreditavam em Deus, até que leram a história de Hunter. E agora eles estão orando pelo meu filho. Um cavalheiro disse que nunca havia orado em todos os seus 30 anos de vida. Ele falou que agora abriu os olhos para uma nova vida, e ele agradece Hunter por isso”, testemunhou Krista.
A divulgação do drama de Hunter Alford, que corria o risco de ficar sem tratamento, mobilizou pessoas que doaram US$ 47 mil dólares, o que serviu para custear as sessões de quimioterapia que restavam.
O agradecimento do menino pela solidariedade das pessoas também teve a mesma repercussão, e agora seu testemunho tem inspirado vidas, segundo o WND: “Um monte de pessoas estão enviando mensagens como essa, agradecendo Hunter por ajudá-los a encontrar seu caminho de volta para Deus. É tão incrível”, disse a mãe, emocionada.
Sobre seu filho, Krista demonstra enxergar nele a mesma inspiração que as pessoas que contribuíram com seu tratamento: “Ele tem sete anos e esta é a sua terceira vez que tem que lidar com o câncer. E ele ainda está otimista”, comemorou.
 
Fonte: Gospel Mais

Carreata do Dia da Bíblia em Joinville

Evento mobilizou fieis da igreja catarinense


Carreata do Dia da Bíblia em JoinvilleO Dia da Bíblia promovido pela Assembleia de Deus em Joinville (SC), liderada pelo pastor Sérgio Melfior, concentrou seus fieis para promover uma inédita passeata pelas ruas do centro da Cidade dos Príncipes. 

O evento foi um empreendimento conjugado ao projeto conhecido por Uma Bíblia em Cada Casaque tem conseguido distribuir exemplares do santo livro aos habitantes do local. Segundo o pastor Alinor dos Santos, nas últimas semanas, uma comitiva da igreja joinvilense presenteou o prefeito em exercício Rodrigo Coelho e os vereadores, com um exemplar da Bíblia Sagrada.

Mas para que este projeto tivesse êxito, o pastor Sérgio convocou todos os departamentos da igreja para esta atividade efetuada em 100 pontos estratégicos espalhados por Joinville. Os fieis que trabalharam na distribuição das Bíblias na cidade, estavam abrigados debaixo de tendas onde também recepcionavam as pessoas que preenchiam um cadastro para futuros contatos. O pastor Sérgio também disse que foi necessário mapear os bairros.

Para concluir essa importante fase do projeto, aconteceu no dia 7 de dezembro, sábado que antecedeu o Dia da Bíblia (8 de dezembro), a distribuição de mais de seis mil exemplares das Escrituras Sagradas. No domingo, conduzidos pelo Departamento da Escola Dominical e a participação de pastores e líderes dos 66 Setores da igreja joinvilense, aconteceu uma grande carreata em homenagem ao “Dia da Bíblia”; os veículos passaram pelas vias centrais da cidade

O projeto Uma Bíblia em cada Casa obedece ao seguinte cronograma:

1)    Os discipuladores entram em contato com o novo convertido em 24 horas.
2)    O novo convertido é encorajado para participar da Escola Bíblica e Ministerial e os demais cultos.
3)    Em seguida, a pessoa é encaminhada ao grupo Novo Viver. Lá o convertido aprende a cantar com a igreja ou é encaixado em algum departamento cuja atividade se encaixa à sua vocação.
4)    Para que o novo convertido seja aceito como candidato ao batismo, é necessário que ele frequente a classe dos novos convertidos da Escola Dominical por três meses.

Sérgio Melfior, líder da igreja em Joinville afirma que o objetivo do projeto é “contemplar cada família com um exemplar da Bíblia Sagrada, mas também abordar as pessoas e preencher o cadastro com as suas informações para que mais tarde os discipuladores visitem o convertido a fim de implantar o discipulado”.

Por Eduardo Araújo

fonte CPADNEWS

Igrejas evangélicas crescem em Juazeiro do Norte

O fenômeno chama a atenção na cidade que é uma praça católica de devoção ao santo Padre Cícero.

O crescimento das igrejas evangélicas em Juazeiro do Norte tem mudado o cenário da cidade cearense que tem forte tradição católica.
De acordo com o Censo de 2010 realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) há cerca de 20 mil evangélicos na cidade e cerca de 98 denominações.
Uma reportagem do CETV, da Rede Globo do Ceará, mostrou trechos de um culto em uma igreja evangélica e citou dados sobre o crescimento do número de evangélicos, algo semelhante ao que tem acontecido em todo o Brasil nos últimos 20 anos.
Após a reportagem o programa conversou com a socióloga Renata Marinho Paz que tentou explicar o fenômeno da diminuição do número de católicos. A profissional lembra que a cidade é uma praça de devoção a um santo popular, no caso Padre Cícero, e que mesmo assim não foi criado um fator para impedir esse crescimento de evangélicos.
Renata Paz ainda comentou sobre as estratégias que as igrejas evangélicas utilizam para chegar mais próximo do povo, conseguindo alcançar as áreas mais pobres da população. “Essas igrejas tem um movimento de expansão muito mais ágil que a Igreja Católica. Essas igrejas evangélicas se proliferam e estão muito mais perto das pessoas”, disse ela.
A cidade de Juazeiro foi o local escolhido para a gravação do CD/DVD “Tu Reinas” do ministério de louvor Diante do Trono. Apesar da resistência da Igreja Católica em aceitar o evento, o grupo liderado por Ana Paula Valadão conseguiu reunir cerca de 30 mil pessoas no dia 6 de junho no Parque de Eventos Padre Cícero.
A decisão de gravar no sertão nordestino aconteceu em resposta ao pedido de um missionário que atua em Juazeiro e relatou as dificuldades que a população tem sofrido por conta das secas que levam os sertanejos a situações de miséria.
Por conta disto, todas as canções selecionadas para fazer parte deste repertório falam sobre a Chuva, o Rio, sobre as Águas do Senhor que curam a terra seca e profetizam um novo tempo para os moradores do sertão.
por Leiliane Roberta Lopes
Fonte Gospel prime